segunda-feira, 11 de maio de 2009

Fade to grey

À minha volta VagUEIo, como um pião largado pela guita, movo volúvel à velocidade tufão.
Deambulo no fade to grey . Desbota o cinzento, o estranho vago, o vazio…

Alguém ousa saltar de um quarto pardo, usa uma capa ruça, atira-se ao fim da vida, abalança-se de um quarto… um quarto andar. Acorda no que foi uma tentativa infeliz, falhou no adeus ambicionado, não lhe concederam respeito, teve azar, teve sorte, teve certo o desconhecido vazio.
Alguém atreve-se a abrir a goela, usa um copo baço, engole as pílulas com a ajuda do bilhete cristalino, o líquido que o transporta para o fim da vida, deglute o adeus desejado. Acorda nas ondas do incógnito, foi uma tentativa feliz, acertou, teve sorte, mas não respeitou, desconsiderou o tempo do adeus pretendido.

Agora, devagar, com calma, muita calma, navega nas vagas do vago, num cinzento nublado descolorido, observa que o fim da cor é quando o Ele quiser, ou quando o ela colorir... Goodbye waves.

1 comentário:

RuiMoutinho disse...

missão cumprida.

de uma forma surpreendentemente submissa, aqui está a promessa cumprida.

obrigado pelo desafio

http://amorzinhoss.blogspot.com/2009/05/caixa-de-pandora.html